Title
Home Search Imagebank On-line submission
The Journal All Editions To the authors Contacts
745 
Ano: 2011  Vol. 15   Num. 1  - Jan/Mar - (12º) Print:
Seção: Original Article
Versão em PDF PDF Português Versão em PDF English PDF Texto Text in English
Avaliação de Resultados em Rinoplastia de Redução
Results Evaluation in Reduction Rhinoplasty
Author(s):
Lisandra Megumi Arima1, Leandro Castro Velasco1, Romualdo Suzano Louzeiro Tiago2.
Key words:
qualidade de vida, avaliação de resultados (cuidados de saúde), rinoplastia, satisfação do paciente. quality of life, results evaluation (health care), rhinoplasty, patient satisfaction.
Resumo:

Introdução: A avaliação do resultado final após rinoplastia é um tema pouco estudado pela visão do paciente. Objetivo: Avaliar a satisfação dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução, a partir do questionário Rhinoplasty Outcomes Evaluation (ROE). Método: Estudo longitudinal, tipo coorte retrospectivo, da satisfação pré-operatória e pós-operatória. A amostra foi composta por 28 pacientes submetidos à rinoplastia que responderam ao questionário ROE. Foram obtidas três variáveis: nota da satisfação que o paciente tinha com sua imagem antes da cirurgia; nota da satisfação com a atual aparência; e a diferença das médias das notas da satisfação entre pós e pré-operatório. Resultados: A nota pós-operatória foi superior a pré-operatória em todos os pacientes. Foi observada diferença entre as médias das notas do pós e pré-operatório de 48,3 (p<0,0001). No pré-operatório foi observado que 100% dos pacientes apresentaram satisfação <50. No pós-operatório foi observado que 92,9% migraram da classe <50 para as classes: 50 a <75 considerado bom (25%); >75 considerado excelente resultado (67,9%). Conclusão: O questionário ROE é uma ferramenta útil em demonstrar a satisfação do paciente submetido à rinoplastia de redução. Cerca de 92% dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução consideram bom ou excelente resultado no pós-operatório.

Abstract:

Introduction: Final results evaluation after rhinoplasty is a not a topic widely studied from the patient's viewpoint. Objective: Evaluate the satisfaction of the patients submitted to reduction rhinoplasty, from the questionnaire Rhinoplasty Outcomes Evaluation (ROE). Method: Longitudinal study, retrospective cut type, of the preoperative and postoperative satisfaction. The sample was composed by 28 patients who were submitted to rhinoplasty and answered the ROE questionnaire. Three variables were obtained: satisfaction note that the patient had with his/her image before the surgery; note of satisfaction with the current appearance; the difference of the average satisfaction notes between postoperative and preoperative approaches. Results: The postoperative note was higher than the preoperative in all patients. We noticed a difference between the average of the postoperative and preoperative of 48.3 (p<0.0001). In the preoperative approach we noticed that 100% of the patients had satisfaction of <50. In the postoperative there was a 92.9% migration from classification <50 to classes: 50 to <75 considered to be good (25%); >75 considered to be an excellent outcome (67.9%). Conclusions: The ROE questionnaire is a helpful tool to show the satisfaction of the patient submitted to reduction rhinoplasty. About 92% of the patients submitted to reduction rhinoplasty consider the postoperative result to be good or excellent.

INTRODUÇÃO

Os principais motivos pelos quais os pacientes procuram o otorrinolaringologista são queixas nasais obstrutivas, estéticas, ou associação de ambas. A maioria dos artigos que aborda o tema de cirurgia estética apresenta discussões a respeito de técnicas cirúrgicas, vias de acesso, complicações, sequelas, e taxas de revisão. A avaliação do resultado final da intervenção é um tema pouco estudado pela visão do paciente e esta análise é muito importante uma vez que a satisfação do paciente é o fator predominante para o sucesso cirúrgico (1-4).

Nas cirurgias puramente estéticas cabe ao médico avaliar o motivo pelo qual o paciente deseja o procedimento. Muitas vezes o motivo envolve a necessidade de satisfazer os outros, ambição social ou profissional, tendo o cirurgião uma grande responsabilidade em aceitar ou recusar esta demanda (5).

Vários trabalhos foram elaborados com intuito de validar um questionário confiável para ser aplicado em pacientes submetidos à cirurgia estética com o objetivo de medir a satisfação do paciente após o procedimento cirúrgico (6-11). Alguns instrumentos, como questionários, que avaliam a qualidade de vida e auto-imagem se tornaram padrão-ouro e vieram substituir a forma simplista como se questionava ao paciente se havia percebido melhora ou não após a rinoplastia (12-13).

A adoção de um questionário amplamente aceito é muito vantajosa, uma vez que uniformiza a avaliação e permite comparar diferentes técnicas, mensurar efeitos positivos e negativos, e identificar os possíveis pacientes que podem não se beneficiar com o procedimento cirúrgico (2).

ALSSARRAF et al foram os primeiros autores a oferecerem e testarem uma ferramenta de avaliação para vários proce¬dimentos estéticos da face, incluindo rinoplastia, com con¬fia¬bilidade, consistência interna e validade do método (7,8,14). O uso deste questionário é um instrumento que o cirurgião pode ter disponível para analisar de forma objetiva algumas variáveis qualitativas que envolvem a cirurgia estética, como aspectos psicológicos, sociais e emocionais (7,8).

O objetivo deste trabalho é avaliar a satisfação dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução, a partir do questionário Rhinoplasty Outcomes Evaluation (ROE).


MÉTODO

Foram identificados 53 pacientes consecutivos, com giba ou rinomegalia, submetidos à rinoplastia de redução. As cirurgias foram realizadas em Serviço de Otorrino¬laringologia de um hospital terciário da cidade de São Paulo no período de janeiro de 2000 a janeiro de 2010. As rinoplastias foram realizadas ou supervisionadas pelo terceiro autor.

Foram incluídos todos os pacientes submetidos à rinoplastia de redução, com seis meses a 10 anos de seguimento pós-operatório, a partir de 16 anos para o sexo feminino e 17 anos para o sexo masculino, e que concordaram com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido ao comparecerem à Instituição após contato telefônico.

Foram excluídos os pacientes os quais não foi possível contato telefônico, não concordaram com o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido ou não compareceram à entrevista (Tabela 1).

Foi realizado estudo longitudinal, tipo coorte retrospectivo, da satisfação pré-operatória e pós-operatória. Os pacientes foram convidados por contato telefônico a comparecerem à Instituição onde se realizou a cirurgia para responderem ao questionário ROE (7,8). Os pacientes que compareceram ao hospital receberam informações a respeito da pesquisa e concordaram em participar do estudo através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O projeto foi apreciado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição (Parecer nº 20/2010).

O questionário ROE foi aplicado duas vezes na mesma visita com o objetivo de mensurar a satisfação do paciente, nos momentos pré e pós-operatório. As respostas do pré-operatório foram baseadas na visualização de fotografias registradas de forma padronizada antes do procedimento cirúrgico. As respostas do pós-operatório foram baseadas no resultado atual do paciente (11,15).

ALSSARRAF et al testaram e validaram este instrumento (ROE) o qual busca, a partir de seis perguntas, avaliar três domínios subjetivos de qualidade de vida: física, mental/emocional e social, como observado no Quadro 1 (8).

Cada pergunta do questionário foi respondida com notas em uma escala de zero a quatro (zero a resposta mais negativa e quatro a resposta mais positiva). Para chegar ao resultado final da escala foi feita a soma das respostas de cada pergunta, este resultado foi dividido por 24 e multiplicado por 100, obtendo um valor que variou de zero a 100 (8). O resultado final foi dividido em classes de acordo com os quartis: zero a <25 e 25 a <50 (insucesso); 50 a <75 (bom); e >75 (excelente).

Após a coleta dos dados foram obtidas três variáveis: nota da satisfação que o paciente tinha com sua imagem antes da cirurgia; nota da satisfação com o resultado atual; e a diferença das notas da satisfação entre o pós e pré-operatório. Foram levantados os dados referentes a: idade; sexo; e tempo de seguimento pós-operatório. Os dados foram tabulados em planilhas eletrônicas, utilizando o software Microsoft Excel (Microsoft Corporation).

Para a análise estatística dos dados, foram utilizados: teste t-pareado; teste t-independente; teste não paramétrico de Mann-Whitney; e teste de Kruskal-Wallis. Foi considerado estatisticamente significante p<0,05.


RESULTADOS

A amostra inicial deste trabalho foi composta por 53 pacientes, sendo que 28 responderam ao questionário. O motivo da ausência do restante dos pacientes pode ser observado na Tabela 1.

A média da idade dos 28 pacientes que participaram do estudo foi de 28,4 anos ± 12,1 anos, sendo 21 (75%) do sexo feminino e sete (25%) do sexo masculino. Todos os pacientes foram submetidos à rinoplastia de redução a partir de abordagem endonasal.

A média da nota da satisfação de todos os pacientes submetidos à rinoplastia no pré-operatório foi de 28 ± 11,2 e no pós-operatório subiu para 76,3 ± 17,6 (Figura 1). Foi observada diferença entre as médias das notas do pós e pré-operatório de 48,3 (p<0,0001).

No pré-operatório foi observado que 100% dos pacientes apresentaram satisfação <50. No pós-operatório foi observado que 92,9% migraram da classe <50 para as classes: 50 a <75 considerado bom resultado (25%); e >75 considerado excelente resultado (67,9%). Apesar de 7,1% dos pacientes terem ficado com resultado pós-operatório <50, não houve piora da condição inicial (Tabela 2). No pós-operatório foi observado que 100% dos pacientes apresentaram acréscimo das notas entre pré e pós-operatórios, ou seja, em nenhum paciente a nota da satisfação no pós-operatório foi inferior ao pré-operatório.

Em relação à idade dos pacientes, a amostra foi dividida em duas classes: <30 anos; e >30 anos. Foi observada que a idade foi um fator que influenciou a média da diferença das notas da satisfação entre pós e pré-operatório, ou seja, os pacientes com idade <30 anos apresentaram menor acréscimo na satisfação que os pacientes >30 anos (p=0,015), como observado na Tabela 3.

O tempo médio de seguimento após a rinoplastia foi de 70,8 meses, que variou de seis meses a 10 anos. A amostra foi dividida em duas classes de acordo com o período de seguimento: 6 a <60 meses; e >60 meses. Não foi observada diferença estatisticamente significante nas médias da diferença da satisfação entre pós e pré-operatório de acordo com o tempo de seguimento (Tabela 4).






Figura 1. Médias das notas da satisfação no pré (Pré) e pós-operatório (Pós) dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução.




DISCUSSÃO

Alguns fatores podem influenciar a satisfação do paciente submetido à rinoplastia, como sua cultura, experiência de vida, e principalmente seu nível de expectativa em relação ao resultado final, o que pode ou não ser realista (11,13). Portanto, é importante para o cirurgião entender as queixas do paciente, e analisar as proporções e relações entre o nariz e a face através do exame físico. O auxílio de documentação fotográfica padronizada é fundamental para o planejamento pré-operatório levando em consideração os fatores anatômicos de cada paciente (15).

Um aspecto importante, mas não avaliado neste estudo, é o impacto psicológico que a cirurgia estética pode gerar no paciente operado. Os distúrbios psicológicos não são uma contra-indicação absoluta para a realização do procedimento estético, principalmente quando um suporte psicológico adequado for fornecido ao paciente (16).

Recentemente, vários trabalhos e revisões foram realizados para eleger um instrumento capaz de medir e analisar a satisfação pós-operatória pela visão do paciente (2-11). Neste estudo foi utilizado o questionário elaborado e validado por ALSSARRAF et al, que é um instrumento de fácil e rápida aplicação, útil para avaliar diferentes tipos de pacientes e técnicas cirúrgicas (6,8,11).

Neste estudo foi observado que todos os 28 pacientes obtiveram melhora com o procedimento cirúrgico de redução (Figura 1) com a nota do pós-operatório superior a nota do pré-operatório. A média da diferença das notas entre o pós e o pré-operatório foi de 48,3 (76,3 no pós-operatório e 28 no pré-operatório), superior ao resultado apresentado por ALSSARRAF et al de 44,5 (83,3 no pós-operatório e 38,8 no pré-operatório) que avaliou os pacientes submetidos à rinoplastia, independente do tipo de técnica cirúrgica (8).

Ao analisar os motivos pelos quais dois pacientes mantiveram satisfação pós-operatória <50 (insucesso), foi observado que tanto a estética quanto a função permaneceram como queixas importantes após o procedimento cirúrgico (Tabela 2).

Os pacientes mais jovens possuem maior expectativa em relação ao resultado estético final, provavelmente devido à maior pressão social (aceitação nos grupos e relacionamento afetivo), com dificuldade em assimilar mudanças da auto-imagem (9). Neste estudo foi observada diferença estatisticamente significante (p=0,015) entre as médias da diferença das notas da satisfação entre pós e pré-operatório para as classes de idade <30 anos e >30 anos (Tabela 3).

O resultado final da rinoplastia pode ser observado a partir de 12 meses de seguimento. Neste estudo foi observado que os pacientes que tiveram maior seguimento pós-operatório (>60 meses) apresentaram média da diferença das notas entre pós e pré-operatório semelhante aos pacientes operados nos últimos 60 meses (Tabela 4).















CONCLUSÃO

O questionário Rhinoplasty Outcomes Evaluation é uma ferramenta útil em demonstrar a satisfação dos pacien¬tes submetidos à rinoplastia de redução. Cerca de 92% dos pacientes submetidos à rinoplastia de redução consideram o resultado como bom ou excelente no pós-operatório.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Ching S, Thoma A, McCabe RE, Antony MM. Measuring Outcomes in Aesthetic Surgery: A Comprehensive Review of the Literature. Plast Reconstr Surg. 2003, 111:469-480.

2. Rhee JS, McMullin BT. Measuring outcomes in facial plastic surgery: a decade of progress. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2008, 16:387-93.

3. Rhee JS, McMullin BT. Outcome Measures in Facial Plastic Surgery. Pacient-Reported and Clinical Efficacy Measures. Arch Facial Plast Surg. 2008, 10:194-207.

4. Kosowski TR, McCarthy C, Reavey PL,Scott AM, Wilkins EG, Cano SJ, Klassen AF, Carr N, Cordeiro PG, Pusic AL. A Systematic Review of Patient-Reported Outcome Measures after Facial Cosmetic Surgery and/or Nonsurgical Facial Rejuvenation. Plast Reconstr Surg. 2009, 123:1819-27.

5. Maniglia JV, Ferreira PGF, Maniglia LP, Maniglia CP, Maniglia MP. Avaliação clínica, seleção de pacientes, cuidados pré e pós-operatórios. Em: Maniglia AJ, Maniglia JJ, Maniglia JV. Rinoplastia - Estética-Funcional-Reconstrutora. Rio de Janeiro: Revinter; 2002. p. 30-3.

6. Meningaud JP, Lantieri L, Bertrand JC. Rhinoplasty: An Outcome Research. Plast Reconstr Surg. 2008, 121:251-7.

7. Alsarraf R. Outcomes Research in Facial Plastic Surgery: A Review and New Directions. Aesthetic Plast Surg. 2000, 24:192-7.

8. Alsarraf R, Larrabee WF, Anderson S, Murakami CS, Johnson CMJ. Measuring Cosmetic Facial Plastic Surgery Outcomes. A Pilot Study. Arch Facial Plast Surg. 2001, 3:198-201.

9. Litner JA, Rotenberg BW, Dennis M, Adamson PA. Impact of Cosmetic Facial Surgery on Satisfactions with Appearance and Quality of Life. Arch Facial Plast Surg. 2008, 10:79-83.

10. Mckiernan DC, Banfield G, Kumar R, Hinton AE. Patient benefit from functional and cosmetic rhinoplasty. Clin Otolaryngol. 2001, 26:50-2.

11. Hellings PW, Trenité GJN. Long-Term Patient Satisfaction After Revision Rhinoplasty. Laryngoscope. 2007, 117:985-9.

12. McKinney P, Cook JQ. A critical evaluation of 200 rhinoplasties. Ann Plast Surg. 1981, 7:357-61.

13. Guyuron B, Bokhar F. Patient Satisfaction Following Rhinoplasty. Aesthetic Plast Surg. 1996, 20:153-7.

14. Bergman S, Feldman LS, Barkun JS. Evaluating Surgical Outcomes. Surg Clin N Am. 2006, 86:129-49.

15. Sullivan MJ. Rhinoplasty: Planning Photo Documentation and Imaging. Aesthetic Plast Surg. 2002, 26 Suppl 1:S7

16. Ercolani M, Baldaro B, Rosse N, Trombini G. Five-Year Follow-up of Cosmetic Rhinoplasty. J Psychossom Res. 1999, 47:283-6.









1 Médico (a) Residente (R3) do Serviço de Otorrinolaringologia do HSPM.
2 Pós-doutor pela Universidade Federal de São Paulo. Médico Assistente do Serviço de Otorrinolaringologia do HSPM.

Instituição: Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo (HSPM). São Paulo / SP - Brasil. Endereço para correspondência: Romualdo Suzano Louzeiro Tiago - Rua Pio XII, 439, Apto. 122 - Bela Vista - São Paulo / SP - Brasil - CEP: 01322-030 - Telefone: (+55 11) 3285-6824 - E-mail: romualdotiago@uol.com.br

Artigo recebido em 17 de Outubro de 2010. Artigo aprovado em 10 de Dezembro de 2010.
  Print:

 

All right reserved. Prohibited the reproduction of papers
without previous authorization of FORL © 1997- 2014